Como era esperado, a Câmara de Nova Olinda afastou novamente o prefeito Afonso Sampaio na noite desta quinta-feira, 14. Afonso tinha retornado ao cargo no dia 08, sexta-feira, por força de liminar concedida pelo ministro do STF, Gilmar Mendes.

A denúncia que provocou o segundo afastamento de Afonso é assinada pelo advogado Armando Fernandes Vieira, e aponta irregularidades em concursos públicos, prática de desvios de função no serviço público, favorecimento a uma servidora pública e nepotismo.

Durante a sessão, populares lotaram a Câmara e protestaram com cartazes e faixas. A base do prefeito tentou pedir vistas para análise da denúncia, mas o requerimento foi derrubado pelos outros nove vereadores que, logo depois votaram a favor do afastamento.

O presidente da Casa, vereador Zé Vieira, foi cobrado para se posicionar antes de levar a denúncia ao Plenário, mas manteve a decisão de decidir em colegiado. Os vereadores da base do prefeito acusaram o presidente irregularidades em desrespeito ao Regimento Interno da Câmara e a Legislação Federal. Neném Camilo e Tier Feitosa acabaram se retirando da sessão.

A mesma denúncia já tramita em processo na Justiça Estadual e já motivou decisões como o afastamento de servidores citados na denúncia, além de determinar o bloqueio de bens do prefeito.

Como era esperado, a Câmara de Nova Olinda afastou novamente o prefeito Afonso Sampaio na noite desta quinta-feira, 14. Afonso tinha retornado ao cargo no dia 08, sexta-feira, por força de liminar concedida pelo ministro do STF, Gilmar Mendes.

A denúncia que provocou o segundo afastamento de Afonso é assinada pelo advogado Armando Fernandes Vieira, e aponta irregularidades em concursos públicos, prática de desvios de função no serviço público, favorecimento a uma servidora pública e nepotismo.

Durante a sessão, populares lotaram a Câmara e protestaram com cartazes e faixas. A base do prefeito tentou pedir vistas para análise da denúncia, mas o requerimento foi derrubado pelos outros nove vereadores que, logo depois votaram a favor do afastamento.

O presidente da Casa, vereador Zé Vieira, foi cobrado para se posicionar antes de levar a denúncia ao Plenário, mas manteve a decisão de decidir em colegiado. Os vereadores da base do prefeito acusaram o presidente irregularidades em desrespeito ao Regimento Interno da Câmara e a Legislação Federal. Neném Camilo e Tier Feitosa acabaram se retirando da sessão.

A mesma denúncia já tramita em processo na Justiça Estadual e já motivou decisões como o afastamento de servidores citados na denúncia, além de determinar o bloqueio de bens do prefeito.

e-Política
MadsonVagner
Câmara de Nova Olinda afastado Afonso pela segunda vez

Como era esperado, a Câmara de Nova Olinda afastou novamente o prefeito Afonso Sampaio na noite desta quinta-feira, 14. Afonso tinha retornado ao cargo no dia 08, sexta-feira, por força de liminar concedida pelo ministro do STF, Gilmar Mendes.

A denúncia que provocou o segundo afastamento de Afonso é assinada pelo advogado Armando Fernandes Vieira, e aponta irregularidades em concursos públicos, prática de desvios de função no serviço público, favorecimento a uma servidora pública e nepotismo.

Durante a sessão, populares lotaram a Câmara e protestaram com cartazes e faixas. A base do prefeito tentou pedir vistas para análise da denúncia, mas o requerimento foi derrubado pelos outros nove vereadores que, logo depois votaram a favor do afastamento.

O presidente da Casa, vereador Zé Vieira, foi cobrado para se posicionar antes de levar a denúncia ao Plenário, mas manteve a decisão de decidir em colegiado. Os vereadores da base do prefeito acusaram o presidente irregularidades em desrespeito ao Regimento Interno da Câmara e a Legislação Federal. Neném Camilo e Tier Feitosa acabaram se retirando da sessão.

A mesma denúncia já tramita em processo na Justiça Estadual e já motivou decisões como o afastamento de servidores citados na denúncia, além de determinar o bloqueio de bens do prefeito.

15/03/2019 | Madson Vagner

Como era esperado, a Câmara de Nova Olinda afastou novamente o prefeito Afonso Sampaio na noite desta quinta-feira, 14. Afonso tinha retornado ao cargo no dia 08, sexta-feira, por força de liminar concedida pelo ministro do STF, Gilmar Mendes.

A denúncia que provocou o segundo afastamento de Afonso é assinada pelo advogado Armando Fernandes Vieira, e aponta irregularidades em concursos públicos, prática de desvios de função no serviço público, favorecimento a uma servidora pública e nepotismo.

Durante a sessão, populares lotaram a Câmara e protestaram com cartazes e faixas. A base do prefeito tentou pedir vistas para análise da denúncia, mas o requerimento foi derrubado pelos outros nove vereadores que, logo depois votaram a favor do afastamento.

O presidente da Casa, vereador Zé Vieira, foi cobrado para se posicionar antes de levar a denúncia ao Plenário, mas manteve a decisão de decidir em colegiado. Os vereadores da base do prefeito acusaram o presidente irregularidades em desrespeito ao Regimento Interno da Câmara e a Legislação Federal. Neném Camilo e Tier Feitosa acabaram se retirando da sessão.

A mesma denúncia já tramita em processo na Justiça Estadual e já motivou decisões como o afastamento de servidores citados na denúncia, além de determinar o bloqueio de bens do prefeito.

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: