Depois de sofrerem pressão por um posicionamento sobre a divisão do precatório do antigo Fundef, proposto pelo prefeito Giovane Guedes (PR), os vereadores de oposição em Araripe saíram em defesa dos profissionais do magistério. O grupo oposicionista lançou, em dia 1º de junho, nota em apoio a causa dos professores que não aceitam a divisão proposta.

No comunicado, os parlamentares avaliam que “o pagamento deste direito aos professores é o maior investimento que o Município poderia fazer para melhorar a educação do nosso povo”. O documento é assinado vereadores João de Vilma; Choneca Amorim; Roberta Almino; Verônica Guedes e Zé Paulino.

Fortalecidos com a divulgação do documento, na segunda-feira, 04, professores, vereadores e parte da população foram às ruas contra a proposta do prefeito Giovane e, agora, a greve é uma questão de dias. Em entrevista ao site Miséria, Giovane disse que em caso de decretada greve, vai à justiça contra os professores.

Entre outras, Giovane propõe um repasse de R$ 2,1 milhões aos professores e mais R$ 800 mil para pagamento do reajuste concedido neste ano. A Prefeitura recebeu mais de R$ 23,8 milhões. Os professores não aceitam a divisão e o acusam de querer resolver os problemas da Prefeitura com o dinheiro dos professores.

Depois de sofrerem pressão por um posicionamento sobre a divisão do precatório do antigo Fundef, proposto pelo prefeito Giovane Guedes (PR), os vereadores de oposição em Araripe saíram em defesa dos profissionais do magistério. O grupo oposicionista lançou, em dia 1º de junho, nota em apoio a causa dos professores que não aceitam a divisão proposta.

No comunicado, os parlamentares avaliam que “o pagamento deste direito aos professores é o maior investimento que o Município poderia fazer para melhorar a educação do nosso povo”. O documento é assinado vereadores João de Vilma; Choneca Amorim; Roberta Almino; Verônica Guedes e Zé Paulino.

Fortalecidos com a divulgação do documento, na segunda-feira, 04, professores, vereadores e parte da população foram às ruas contra a proposta do prefeito Giovane e, agora, a greve é uma questão de dias. Em entrevista ao site Miséria, Giovane disse que em caso de decretada greve, vai à justiça contra os professores.

Entre outras, Giovane propõe um repasse de R$ 2,1 milhões aos professores e mais R$ 800 mil para pagamento do reajuste concedido neste ano. A Prefeitura recebeu mais de R$ 23,8 milhões. Os professores não aceitam a divisão e o acusam de querer resolver os problemas da Prefeitura com o dinheiro dos professores.

e-Política
MadsonVagner
Em Araripe, apoio de vereadores fortalece professores contra prefeito

Depois de sofrerem pressão por um posicionamento sobre a divisão do precatório do antigo Fundef, proposto pelo prefeito Giovane Guedes (PR), os vereadores de oposição em Araripe saíram em defesa dos profissionais do magistério. O grupo oposicionista lançou, em dia 1º de junho, nota em apoio a causa dos professores que não aceitam a divisão proposta.

No comunicado, os parlamentares avaliam que “o pagamento deste direito aos professores é o maior investimento que o Município poderia fazer para melhorar a educação do nosso povo”. O documento é assinado vereadores João de Vilma; Choneca Amorim; Roberta Almino; Verônica Guedes e Zé Paulino.

Fortalecidos com a divulgação do documento, na segunda-feira, 04, professores, vereadores e parte da população foram às ruas contra a proposta do prefeito Giovane e, agora, a greve é uma questão de dias. Em entrevista ao site Miséria, Giovane disse que em caso de decretada greve, vai à justiça contra os professores.

Entre outras, Giovane propõe um repasse de R$ 2,1 milhões aos professores e mais R$ 800 mil para pagamento do reajuste concedido neste ano. A Prefeitura recebeu mais de R$ 23,8 milhões. Os professores não aceitam a divisão e o acusam de querer resolver os problemas da Prefeitura com o dinheiro dos professores.

06/06/2018 | Madson Vagner

Depois de sofrerem pressão por um posicionamento sobre a divisão do precatório do antigo Fundef, proposto pelo prefeito Giovane Guedes (PR), os vereadores de oposição em Araripe saíram em defesa dos profissionais do magistério. O grupo oposicionista lançou, em dia 1º de junho, nota em apoio a causa dos professores que não aceitam a divisão proposta.

No comunicado, os parlamentares avaliam que “o pagamento deste direito aos professores é o maior investimento que o Município poderia fazer para melhorar a educação do nosso povo”. O documento é assinado vereadores João de Vilma; Choneca Amorim; Roberta Almino; Verônica Guedes e Zé Paulino.

Fortalecidos com a divulgação do documento, na segunda-feira, 04, professores, vereadores e parte da população foram às ruas contra a proposta do prefeito Giovane e, agora, a greve é uma questão de dias. Em entrevista ao site Miséria, Giovane disse que em caso de decretada greve, vai à justiça contra os professores.

Entre outras, Giovane propõe um repasse de R$ 2,1 milhões aos professores e mais R$ 800 mil para pagamento do reajuste concedido neste ano. A Prefeitura recebeu mais de R$ 23,8 milhões. Os professores não aceitam a divisão e o acusam de querer resolver os problemas da Prefeitura com o dinheiro dos professores.

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: