A noite desta terça-feira, 28, marcou o fim de quatro dias de buscas por vítimas da tragédia de começou na sexta-feira, 25. O rompimento de uma barragem com dejetos tóxicos da mina do feijão, em Brumadinho, interior de Minas Gerais, deu início a uma verdadeira batalha em busca de sobreviventes entre os desaparecidos.

Segundo relatório da equipe de bombeiros que comandam as buscas, o número de mortos chega a 65, com 31 identificados. O número deve aumentar já que ainda estão desaparecidos 279 pessoas. Para fazer o resgaste dos corpos, os bombeiros precisam se arrastar na lama socando os locais com bastões.

Na tarde desta segunda-feira, a diretoria da Vale, empresa responsável pela barragem, anunciou a doação de R$ 100 mil reais para cada família que perdeu um ente na tragédia. Existem 135 famílias desabrigadas. Além da ajuda vinda de vários estados do Brasil, a equipe de resgate conta com o auxílio de militares e equipamentos de Israel.

Ainda no sábado, 26, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou os locais atingidos pela lama tóxica e prometeu endurecer as leis que punem crimes ambientais. A Vale já foi multada pelo Governo de Minas em R$ 99 milhões e pelo Ibama em R$ 250 milhões.

A noite desta terça-feira, 28, marcou o fim de quatro dias de buscas por vítimas da tragédia de começou na sexta-feira, 25. O rompimento de uma barragem com dejetos tóxicos da mina do feijão, em Brumadinho, interior de Minas Gerais, deu início a uma verdadeira batalha em busca de sobreviventes entre os desaparecidos.

Segundo relatório da equipe de bombeiros que comandam as buscas, o número de mortos chega a 65, com 31 identificados. O número deve aumentar já que ainda estão desaparecidos 279 pessoas. Para fazer o resgaste dos corpos, os bombeiros precisam se arrastar na lama socando os locais com bastões.

Na tarde desta segunda-feira, a diretoria da Vale, empresa responsável pela barragem, anunciou a doação de R$ 100 mil reais para cada família que perdeu um ente na tragédia. Existem 135 famílias desabrigadas. Além da ajuda vinda de vários estados do Brasil, a equipe de resgate conta com o auxílio de militares e equipamentos de Israel.

Ainda no sábado, 26, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou os locais atingidos pela lama tóxica e prometeu endurecer as leis que punem crimes ambientais. A Vale já foi multada pelo Governo de Minas em R$ 99 milhões e pelo Ibama em R$ 250 milhões.

e-Política
MadsonVagner
Em Brumadinho, equipe encerra quarto dia de buscas

A noite desta terça-feira, 28, marcou o fim de quatro dias de buscas por vítimas da tragédia de começou na sexta-feira, 25. O rompimento de uma barragem com dejetos tóxicos da mina do feijão, em Brumadinho, interior de Minas Gerais, deu início a uma verdadeira batalha em busca de sobreviventes entre os desaparecidos.

Segundo relatório da equipe de bombeiros que comandam as buscas, o número de mortos chega a 65, com 31 identificados. O número deve aumentar já que ainda estão desaparecidos 279 pessoas. Para fazer o resgaste dos corpos, os bombeiros precisam se arrastar na lama socando os locais com bastões.

Na tarde desta segunda-feira, a diretoria da Vale, empresa responsável pela barragem, anunciou a doação de R$ 100 mil reais para cada família que perdeu um ente na tragédia. Existem 135 famílias desabrigadas. Além da ajuda vinda de vários estados do Brasil, a equipe de resgate conta com o auxílio de militares e equipamentos de Israel.

Ainda no sábado, 26, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou os locais atingidos pela lama tóxica e prometeu endurecer as leis que punem crimes ambientais. A Vale já foi multada pelo Governo de Minas em R$ 99 milhões e pelo Ibama em R$ 250 milhões.

28/01/2019 | Madson Vagner

A noite desta terça-feira, 28, marcou o fim de quatro dias de buscas por vítimas da tragédia de começou na sexta-feira, 25. O rompimento de uma barragem com dejetos tóxicos da mina do feijão, em Brumadinho, interior de Minas Gerais, deu início a uma verdadeira batalha em busca de sobreviventes entre os desaparecidos.

Segundo relatório da equipe de bombeiros que comandam as buscas, o número de mortos chega a 65, com 31 identificados. O número deve aumentar já que ainda estão desaparecidos 279 pessoas. Para fazer o resgaste dos corpos, os bombeiros precisam se arrastar na lama socando os locais com bastões.

Na tarde desta segunda-feira, a diretoria da Vale, empresa responsável pela barragem, anunciou a doação de R$ 100 mil reais para cada família que perdeu um ente na tragédia. Existem 135 famílias desabrigadas. Além da ajuda vinda de vários estados do Brasil, a equipe de resgate conta com o auxílio de militares e equipamentos de Israel.

Ainda no sábado, 26, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou os locais atingidos pela lama tóxica e prometeu endurecer as leis que punem crimes ambientais. A Vale já foi multada pelo Governo de Minas em R$ 99 milhões e pelo Ibama em R$ 250 milhões.

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: