A gestão da prefeita cassada de Santana do Cariri, Danieli de Abreu Machado, foi considerada, pelo extinto Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), uma das mais desorganizadas do Ceará.

Segundo constatação da Diretoria de Fiscalização (DIRFI), mediante inspeção entre os dias 11 e 15 de abril de 2016, mais de R$ 7,7 milhões em patrimônio móveis e imóveis estavam sem tombamento ou com registros incompletos, além de uma sucessão de irregularidades na concepção e falhas na execução do setor de Controle Interno da Prefeitura, que não foi devidamente implantado no Município.

A ausência do Controle Interno promoveu descontrole em vários setores e serviços da Prefeitura. Os técnicos do TCM citaram, entre outros, a falta de registro das quilometragens constantes nos hodômetros dos veículos, bem como nos horímetros das máquinas, no momento de cada abastecimento. A ausência de controle sobre os abastecimentos favoreceu a ocorrência de prejuízos ao Erário.

Os técnicos do TCM identificam ainda falhas em processos de licitações, irregularidades no transporte escolar, além de contratações de pessoal em desobediência a lei.

A gestão da prefeita cassada de Santana do Cariri, Danieli de Abreu Machado, foi considerada, pelo extinto Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), uma das mais desorganizadas do Ceará.

Segundo constatação da Diretoria de Fiscalização (DIRFI), mediante inspeção entre os dias 11 e 15 de abril de 2016, mais de R$ 7,7 milhões em patrimônio móveis e imóveis estavam sem tombamento ou com registros incompletos, além de uma sucessão de irregularidades na concepção e falhas na execução do setor de Controle Interno da Prefeitura, que não foi devidamente implantado no Município.

A ausência do Controle Interno promoveu descontrole em vários setores e serviços da Prefeitura. Os técnicos do TCM citaram, entre outros, a falta de registro das quilometragens constantes nos hodômetros dos veículos, bem como nos horímetros das máquinas, no momento de cada abastecimento. A ausência de controle sobre os abastecimentos favoreceu a ocorrência de prejuízos ao Erário.

Os técnicos do TCM identificam ainda falhas em processos de licitações, irregularidades no transporte escolar, além de contratações de pessoal em desobediência a lei.

e-Política
MadsonVagner
Gestão Danieli Machado compromete R$ 7,7 milhões em bens públicos

A gestão da prefeita cassada de Santana do Cariri, Danieli de Abreu Machado, foi considerada, pelo extinto Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), uma das mais desorganizadas do Ceará.

Segundo constatação da Diretoria de Fiscalização (DIRFI), mediante inspeção entre os dias 11 e 15 de abril de 2016, mais de R$ 7,7 milhões em patrimônio móveis e imóveis estavam sem tombamento ou com registros incompletos, além de uma sucessão de irregularidades na concepção e falhas na execução do setor de Controle Interno da Prefeitura, que não foi devidamente implantado no Município.

A ausência do Controle Interno promoveu descontrole em vários setores e serviços da Prefeitura. Os técnicos do TCM citaram, entre outros, a falta de registro das quilometragens constantes nos hodômetros dos veículos, bem como nos horímetros das máquinas, no momento de cada abastecimento. A ausência de controle sobre os abastecimentos favoreceu a ocorrência de prejuízos ao Erário.

Os técnicos do TCM identificam ainda falhas em processos de licitações, irregularidades no transporte escolar, além de contratações de pessoal em desobediência a lei.

08/05/2018 | Madson Vagner

A gestão da prefeita cassada de Santana do Cariri, Danieli de Abreu Machado, foi considerada, pelo extinto Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), uma das mais desorganizadas do Ceará.

Segundo constatação da Diretoria de Fiscalização (DIRFI), mediante inspeção entre os dias 11 e 15 de abril de 2016, mais de R$ 7,7 milhões em patrimônio móveis e imóveis estavam sem tombamento ou com registros incompletos, além de uma sucessão de irregularidades na concepção e falhas na execução do setor de Controle Interno da Prefeitura, que não foi devidamente implantado no Município.

A ausência do Controle Interno promoveu descontrole em vários setores e serviços da Prefeitura. Os técnicos do TCM citaram, entre outros, a falta de registro das quilometragens constantes nos hodômetros dos veículos, bem como nos horímetros das máquinas, no momento de cada abastecimento. A ausência de controle sobre os abastecimentos favoreceu a ocorrência de prejuízos ao Erário.

Os técnicos do TCM identificam ainda falhas em processos de licitações, irregularidades no transporte escolar, além de contratações de pessoal em desobediência a lei.

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: