Os professores da rede pública municipal de Araripe estão decididos a ir as últimas consequências, caso o prefeito Giovane Guedes (PR) não atenda as reivindicações da categoria. Nessa terça-feira (06), os profissionais do magistério se reuniram com o representantes do Sindicato Apeoc para tratar de reajustes e precatório. Ficou a data de 16 de março como indicativo de greve.

Após a reunião, os representantes da categoria foram à Prefeitura para discutir a pauta com o prefeito. Na ausência do gestor, a comissão foi recebida pela primeira-dama do município que garantiu: há intensão do município em conceder o reajuste.

A presidente da Apeoc, Elizabete Alencar, alerta para o fato dos professores de Araripe ganharem abaixo do estabelecido pelo piso nacional. Elizabete disse que espera uma proposta até o fim desta semana, caso contrário prevalecerá a paralização. A categoria pede reajuste de 10%.

(Com informações do site Miséria)

Os professores da rede pública municipal de Araripe estão decididos a ir as últimas consequências, caso o prefeito Giovane Guedes (PR) não atenda as reivindicações da categoria. Nessa terça-feira (06), os profissionais do magistério se reuniram com o representantes do Sindicato Apeoc para tratar de reajustes e precatório. Ficou a data de 16 de março como indicativo de greve.

Após a reunião, os representantes da categoria foram à Prefeitura para discutir a pauta com o prefeito. Na ausência do gestor, a comissão foi recebida pela primeira-dama do município que garantiu: há intensão do município em conceder o reajuste.

A presidente da Apeoc, Elizabete Alencar, alerta para o fato dos professores de Araripe ganharem abaixo do estabelecido pelo piso nacional. Elizabete disse que espera uma proposta até o fim desta semana, caso contrário prevalecerá a paralização. A categoria pede reajuste de 10%.

(Com informações do site Miséria)

e-Política
MadsonVagner
Greve eminente em Araripe

Os professores da rede pública municipal de Araripe estão decididos a ir as últimas consequências, caso o prefeito Giovane Guedes (PR) não atenda as reivindicações da categoria. Nessa terça-feira (06), os profissionais do magistério se reuniram com o representantes do Sindicato Apeoc para tratar de reajustes e precatório. Ficou a data de 16 de março como indicativo de greve.

Após a reunião, os representantes da categoria foram à Prefeitura para discutir a pauta com o prefeito. Na ausência do gestor, a comissão foi recebida pela primeira-dama do município que garantiu: há intensão do município em conceder o reajuste.

A presidente da Apeoc, Elizabete Alencar, alerta para o fato dos professores de Araripe ganharem abaixo do estabelecido pelo piso nacional. Elizabete disse que espera uma proposta até o fim desta semana, caso contrário prevalecerá a paralização. A categoria pede reajuste de 10%.

(Com informações do site Miséria)

07/03/2018 | Madson Vagner

Os professores da rede pública municipal de Araripe estão decididos a ir as últimas consequências, caso o prefeito Giovane Guedes (PR) não atenda as reivindicações da categoria. Nessa terça-feira (06), os profissionais do magistério se reuniram com o representantes do Sindicato Apeoc para tratar de reajustes e precatório. Ficou a data de 16 de março como indicativo de greve.

Após a reunião, os representantes da categoria foram à Prefeitura para discutir a pauta com o prefeito. Na ausência do gestor, a comissão foi recebida pela primeira-dama do município que garantiu: há intensão do município em conceder o reajuste.

A presidente da Apeoc, Elizabete Alencar, alerta para o fato dos professores de Araripe ganharem abaixo do estabelecido pelo piso nacional. Elizabete disse que espera uma proposta até o fim desta semana, caso contrário prevalecerá a paralização. A categoria pede reajuste de 10%.

(Com informações do site Miséria)

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: