Apesar do exemplo de combate à corrupção que derrubou a prefeita Danieli Machado, a troca de prefeito parece não ter mudado muita coisa em Santana do Cariri. A situação de descaso ao erário público continua a mesma. Nepotismo, favorecimentos, descaso com a saúde e educação continuam sendo denunciados.

O prefeito Pedro Henrique (MDB) tem privilegiado os parentes, amigos e aliados. São mais de R$ 200 mil na folha da Prefeitura, apenas com pagamento de cargos de indicação pessoal do prefeito. Sem dinheiro ou política fiscal para aumentar a arrecadação, a Prefeitura atrasa pagamentos de fornecedores e a gestão segue rumo ao caos administrativo.

Na zona rural, a população tem que pagar até R$ 200 por uma carrada de água, enquanto o prefeito lava a rua da sua casa com água dos carros pipa, paga pelo Governo Federal.

Caos administrativo

Bem obediente ao pai, Pedro de Gerson, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique, está sendo apelidado de ‘marido traído’, por ser o último a saber do que acontece em sua gestão. O problema é que a crise de autoridade administrativa tem causados estragos profundos.

Nas escolas, crianças estão faltando às aulas por falta de transporte público. Uma das poucas rotas que têm transporte é feita por uma Kombi que chega a transportar 26 crianças em trajetos de até 20 km.

Na saúde, os PSFs estão sem formulários timbrados; pacientes estão sem receitas, solicitações de exames e remédios. Apesar do tratamento dispensado a população, o prefeito de fato, Pedro de Gerson, fez uma reunião com os contratados e comissionados: quer votos para seus candidatos. Tudo endossado por uma Câmara que parece estar muda.

Apesar do exemplo de combate à corrupção que derrubou a prefeita Danieli Machado, a troca de prefeito parece não ter mudado muita coisa em Santana do Cariri. A situação de descaso ao erário público continua a mesma. Nepotismo, favorecimentos, descaso com a saúde e educação continuam sendo denunciados.

O prefeito Pedro Henrique (MDB) tem privilegiado os parentes, amigos e aliados. São mais de R$ 200 mil na folha da Prefeitura, apenas com pagamento de cargos de indicação pessoal do prefeito. Sem dinheiro ou política fiscal para aumentar a arrecadação, a Prefeitura atrasa pagamentos de fornecedores e a gestão segue rumo ao caos administrativo.

Na zona rural, a população tem que pagar até R$ 200 por uma carrada de água, enquanto o prefeito lava a rua da sua casa com água dos carros pipa, paga pelo Governo Federal.

Caos administrativo

Bem obediente ao pai, Pedro de Gerson, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique, está sendo apelidado de ‘marido traído’, por ser o último a saber do que acontece em sua gestão. O problema é que a crise de autoridade administrativa tem causados estragos profundos.

Nas escolas, crianças estão faltando às aulas por falta de transporte público. Uma das poucas rotas que têm transporte é feita por uma Kombi que chega a transportar 26 crianças em trajetos de até 20 km.

Na saúde, os PSFs estão sem formulários timbrados; pacientes estão sem receitas, solicitações de exames e remédios. Apesar do tratamento dispensado a população, o prefeito de fato, Pedro de Gerson, fez uma reunião com os contratados e comissionados: quer votos para seus candidatos. Tudo endossado por uma Câmara que parece estar muda.

e-Política
MadsonVagner
Santana do Cariri, uma Prefeitura para os amigos do prefeito

Apesar do exemplo de combate à corrupção que derrubou a prefeita Danieli Machado, a troca de prefeito parece não ter mudado muita coisa em Santana do Cariri. A situação de descaso ao erário público continua a mesma. Nepotismo, favorecimentos, descaso com a saúde e educação continuam sendo denunciados.

O prefeito Pedro Henrique (MDB) tem privilegiado os parentes, amigos e aliados. São mais de R$ 200 mil na folha da Prefeitura, apenas com pagamento de cargos de indicação pessoal do prefeito. Sem dinheiro ou política fiscal para aumentar a arrecadação, a Prefeitura atrasa pagamentos de fornecedores e a gestão segue rumo ao caos administrativo.

Na zona rural, a população tem que pagar até R$ 200 por uma carrada de água, enquanto o prefeito lava a rua da sua casa com água dos carros pipa, paga pelo Governo Federal.

Caos administrativo

Bem obediente ao pai, Pedro de Gerson, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique, está sendo apelidado de ‘marido traído’, por ser o último a saber do que acontece em sua gestão. O problema é que a crise de autoridade administrativa tem causados estragos profundos.

Nas escolas, crianças estão faltando às aulas por falta de transporte público. Uma das poucas rotas que têm transporte é feita por uma Kombi que chega a transportar 26 crianças em trajetos de até 20 km.

Na saúde, os PSFs estão sem formulários timbrados; pacientes estão sem receitas, solicitações de exames e remédios. Apesar do tratamento dispensado a população, o prefeito de fato, Pedro de Gerson, fez uma reunião com os contratados e comissionados: quer votos para seus candidatos. Tudo endossado por uma Câmara que parece estar muda.

03/10/2018 | Madson Vagner

Apesar do exemplo de combate à corrupção que derrubou a prefeita Danieli Machado, a troca de prefeito parece não ter mudado muita coisa em Santana do Cariri. A situação de descaso ao erário público continua a mesma. Nepotismo, favorecimentos, descaso com a saúde e educação continuam sendo denunciados.

O prefeito Pedro Henrique (MDB) tem privilegiado os parentes, amigos e aliados. São mais de R$ 200 mil na folha da Prefeitura, apenas com pagamento de cargos de indicação pessoal do prefeito. Sem dinheiro ou política fiscal para aumentar a arrecadação, a Prefeitura atrasa pagamentos de fornecedores e a gestão segue rumo ao caos administrativo.

Na zona rural, a população tem que pagar até R$ 200 por uma carrada de água, enquanto o prefeito lava a rua da sua casa com água dos carros pipa, paga pelo Governo Federal.

Caos administrativo

Bem obediente ao pai, Pedro de Gerson, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique, está sendo apelidado de ‘marido traído’, por ser o último a saber do que acontece em sua gestão. O problema é que a crise de autoridade administrativa tem causados estragos profundos.

Nas escolas, crianças estão faltando às aulas por falta de transporte público. Uma das poucas rotas que têm transporte é feita por uma Kombi que chega a transportar 26 crianças em trajetos de até 20 km.

Na saúde, os PSFs estão sem formulários timbrados; pacientes estão sem receitas, solicitações de exames e remédios. Apesar do tratamento dispensado a população, o prefeito de fato, Pedro de Gerson, fez uma reunião com os contratados e comissionados: quer votos para seus candidatos. Tudo endossado por uma Câmara que parece estar muda.

Especial/Reportagem

Livro

Leia Também: